Carregamento sem fio, o próximo passo da mobilidade elétrica

Futuro dos carros: ao remover a necessidade de cabos, o carregamento sem fio ou indutivo é o próximo passo na evolução dos carros movidos a combustível até as primeiras gerações de veículos elétricos, marcando um avanço prático e também simbólico para os motoristas.

A primeira estação de carga para bicicletas elétricas foi lançada na École de Management (EM) Lyon Business School, em Ecully, na França. Esta foi seguida por outras duas estações de 10 bicicletas, como parte de um projeto desenhado para possibilitar que estudantes e funcionários pudessem chegar ao centro da cidade tão fácil como de carro. Uma característica essencial dessas inovadoras bicicletas é o carregamento sem fio, uma tecnologia que ajuda a simplificar o seu uso.

Com o apoio de um aplicativo exclusivo para smartphones, o usuário pega a bicicleta em um terminal, onde ele pode não só estacionar a bicicleta de maneira segura, mas também carregá-la sem a necessidade de cabos. O transmissor embutido no terminal transfere energia útil ao receptor (a bateria da bicicleta) sem nenhuma conexão manual. Graças à sua bateria de 300W, a bicicleta é carregada em duas horas e meia, adquirindo 50 km de alcance.

Ao remover a necessidade de cabos, o carregamento sem fio ou indutivo é o próximo passo na evolução dos carros movidos a combustível até as primeiras gerações de veículos elétricos, marcando um avanço prático e também simbólico para os motoristas. “É o futuro dos carros”, afirma Lyonel Escot, sócio fundador da B2ebike, a empresa que implementa as bicicletas no campus da EMLYON.

Seguindo a Tesla, a Porsche lançou no ano passado um veículo de passeio crossover todo elétrico com carregamento indutivo. Um transmissor localizado numa placa fixa no chão transfere a energia necessária para carregar o carro a um receptor integrado embaixo do chassi, usando um campo eletromagnético. Tudo sem contato.

Mobilidade simplificada

Uma das unidades de negócios da VINCI Energies em Lyon é a responsável pela conexão do equipamento fornecido pela B2ebike na EMLYON, e está focando nessa tecnologia de ponta em seu plano de oferta de mobilidade elétrica para os campus que incorporam uma dimensão de energia renovável. Conforme comenta Julien Lemoine, responsável pelo projeto de uma das marcas de atuação da VINCI Energies, “como os campus normalmente estão fora ou nos limites das cidades, eles requerem soluções de mobilidade simplificadas para os estudantes e, além disso, contam com espaço disponível para instalar painéis solares na cobertura de edifícios, por exemplo, ou até turbinas eólicas”.

“Ao se locomover em bicicleta a uma velocidade de 20-25 km/h, é possível se deslocar na cidade tão rápido como de carro”

Impulsionadas por uma preocupação cada vez maior de encontrar soluções que respeitem o meio ambiente, as autoridades e empresas estão se interessando por estações de bicicletas elétricas que oferecem carregamento sem fio. “As pessoas vivem a uma distância média de 8 km do seu local de trabalho e, ao se locomoverem numa e-bike a 20-25 km/h, elas podem se deslocar pela cidade tão rápido como de carro”, afirma Lyonel Escot, da B2ebike. “Redes elétricas inteligentes, energia solar, carregamento indutivo… todas elas são tecnologias emergentes nas cidades”, comenta Julien Lemoine.

Anterior Voltar à lista Voltar à lista